O Opus Dei “continua iluminando meu caminho”

Por Ana Silvéria
Alguns trechos de uma carta que Ana Silvéria – ex-numerária auxiliar – escreveu para sua prima que é do Opus Dei.

Primeiramente só tenho a agradecer por tudo de bom que aí aprendi e aí vivi. O que ficou da Obra para mim é que realmente ser santa não é tarefa fácil, mas também não é impossível: com Deus e a Virgem nós podemos tudo.

A Obra é como se fosse uma luz no meio do túnel: eu consegui chegar até ela, passei por ela e a mesma luz continua iluminando meu caminho até o fim, porque continuo fazendo tudo o que faço pensando no que aprendi, tanto profissionalmente como espiritualmente.

No profissional tento cuidar dos detalhes, estar sempre alegre e otimista, dar bom exemplo e não ter vergonha de falar de Jesus para as pessoas.

No espiritual, rezar pensando e contemplando cada palavra e frase das orações que rezo, elevar meu pensamento a Deus através das coisas humanas.

(…) A Bianca e o Bruno já aprenderam a olhar para a Virgem1 e rezamos o terço todos os dias. O Bruno está com 5 anos e já faz o oferecimento de obras sozinho com as palavrinhas dele; a Bianca é coroinha.

Tudo o que eu puder fazer para educá-los no caminho para Deus eu faço.

Fique com Deus e seja fiel porque o mundo fora da Obra não é nada fácil, a gente tem que estar numa luta constante para fazer a vontade de Deus e sempre lembrar de tudo o que o nosso Padre2 nos ensinou.

Um forte abraço e tudo de bom! Sua prima que nunca esquece de você,

Ana Silvéria

1 – O Fundador do Opus Dei viveu e ensinou o costume de olharmos para as imagens de Nossa Senhora, procurando sempre dirigir a ela, interiormente, algumas palvras de carinho, de atenção.
2 – São Josemaria Escrivá