In Evangelho do dia

35Naquele dia, à tardinha, disse-lhes: Passemos para o lado de lá. 36E eles, deixando o povo, tomam-No consigo, assim como estava na barca; e outras barcas O acompanhavam. 37Nisto levanta-se um grande ciclone que arrojava as ondas sobre a barca, de tal modo que a barca se ia enchendo. 38Entretanto Ele estava na popa a dormir sobre uma almofada. Despertam-No e dizem-Lhe: Mestre, não Te importa que pereçamos? 39Ele, despertando, imperou ao vento e disse ao mar: Cala-te! Emudece! O vento acalmou e fez-se uma grande bonança. 40Disse-lhe então: Porque estais assim com medo? Como? Não tendes fé? Ficaram eles possuídos de grande temor e diziam uns para os outros:41 Então quem é Este, que até o vento e o mar Lhe obedecem?

Comentário

35-41. O episódio da tempestade acalmada, cuja recordação deve ter devolvido muitas vezes a serenidade aos Apóstolos no meio das suas lutas e das dificuldades, serve também a cada alma para nunca perder o ponto de mira sobrenatural: a vida do cristão é comparável a uma barca: «Assim como a nave que atravessa o mar, comenta Santo Afonso Maria de Ligório, está sujeita a milhares de perigos, corsários, incêndios, escolhos e tempestades, assim o homem se vê assaltado na vida por milhares de perigos, de tentações, ocasiões de pecar, escândalos ou maus conselhos dos homens, respeitos humanos e, sobretudo, pelas paixões desordenadas (…). Não por isto há que desconfiar nem desesperar-se. Pelo contrário (…), quando alguém se vê assaltado por uma paixão incontrolada (…), ponha os meios humanos para evitar as ocasiões e (…) apoie-se em Deus (…): no furor da tempestade não deixa o marinheiro de olhar para a estrela cuja claridade o terá de guiar para o porto. De igual modo nesta vida temos sempre de ter os olhos fixos em Deus, que é o único que nos há-de livrar de tais perigos» (Sermão n.º 39 para o Dom. IV depois da Epifania).

Recent Posts
Fale conosco

Escreva aqui sua mensagem que responderemos o mais breve possível. Obrigado!

Start typing and press Enter to search