In Evangelho do dia

27Aproximaram-se alguns dos Saduceus, esses que contestam que haja ressurreição, e interrogaram-No: 28Mestre — dizem eles — Moisés deixou-nos prescrito: Se a algum homem morrer um irmão, que tenha mulher, mas não tenha filhos, tome o irmão a viúva para suscitar descendência a seu irmão. 29Ora havia sete irmãos. O primeiro casou e morreu sem ter filhos. 30O segundo, 31depois o terceiro casaram com a viúva; e o mesmo sucedeu por igual aos sete, que não dei­xaram filhos e morreram. 32Por fim, morreu também a mulher. 33Na ressurreição, de qual deles fica então mulher, pois os sete a tiveram por esposa? 34Disse-lhes Jesus: Os filhos deste mundo casam. 35Mas os que forem tidos por dignos de participar do outro mundo e da ressurreição dos mortos, não se casam. 36De facto, nem já podem morrer, pois são iguais aos Anjos e, sendo filhos da ressurreição, são filhos de Deus. 37E que os mortos ressuscitam, até Moisés o deu a entender, no episódio da sarça, quando chama ao Senhor o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacob. 38Ora Deus não é Deus de mortos, mas de vivos, pois todos para Ele estão vivos! 39Intervindo então, disseram alguns dos Escribas: Disseste bem, Mestre. 40E, de facto, já não se atreviam a fazer-Lhe pergunta alguma.

Comentário

27-40. Os saduceus não criam na ressurreição da carne e negavam a imortalidade da alma. Aproximam-se do Senhor para Lhe apresentarem uma questão que O ponha em apuros. Segundo a lei do levirato (cfr Dt 25,5 ss.), se um homem morria sem deixar filhos, o irmão tinha obrigação de se casar com a viúva para suscitar descendência a seu irmão. As conseqüências desta lei parecem provocar uma situação ridícula no momento da ressurreição dos corpos.

O Senhor responde reafirmando a existência da ressur­reição, e, ao ensinar as propriedades dos ressuscitados, desvanece-se o argumento dos saduceus. Neste mundo, os homens contraem núpcias para perpetuar a espécie; esse é o fim primário do matrimônio. Depois da ressurreição não haverá mais núpcias, porque os homens não poderão morrer.

O Senhor, citando a Sagrada Escritura (Ex 3,2.6), mani­festa o erro grave dos saduceus, e argumenta: Deus não é Deus de mortos mas de vivos, isto é, existe uma relação permanente entre Deus e Abraão, Isaac e Jacob, que há muito tempo tinham morrido. Portanto, ainda que estes justos tenham morrido quanto ao corpo, vivem com ver­dadeira vida em Deus — as suas almas são imortais — e esperam a ressurreição dos corpos.

Vid. também as notas a Mt 22,23-33 e Mc 12,18-27.

41-44. Jesus afirma não só que é filho de David, mas também que é Senhor e Deus. Para isso cita as palavras do Salmo 110: ao Messias, descendente de David, sentado à direita de Deus, o próprio David chama Senhor. Jesus alude com estas palavras ao mistério da Sua Encarnação: é filho de David segundo a carne, e é Deus e Senhor por ser Filho do Pai, igual a Ele em tudo: assim se pode compreender que seja Senhor de David tendo nascido muito depois dele.

Recent Posts
Fale conosco

Escreva aqui sua mensagem que responderemos o mais breve possível. Obrigado!

Start typing and press Enter to search