In Evangelho do dia

13Subiu depois ao monte e chamou a Si os que EÍe quis, e eles foram-se para junto d Ele. 14E designou doze para andarem com Ele e para os mandar a pregar, 15com poder de expulsarem os Demônios. 16Designou, pois, os doze: Simão, a quem impôs o nome de Pedro; 17Tiago, filho de Zebedeu, e João, irmão de Tiago, aos quais pôs o nome de Boanerges, isto é, «filhos do trovão»;18André, Filipe, Bartolomeu, Mateus, Tome, Tiago, filho de Alfeu, Tadeu, Simão, o Cananeu, I9e Judas Iscariotes, que foi o que O entregou.

Comentário

  1. «Chamou a Si os que Ele quis»: Deus quer ensinar-nos que a vocação é uma iniciativa divina. Isto é particularmente aplicável à vocação dos Apóstolos. Por isso pôde Jesus dizer-lhes mais tarde: «Não fostes vós que Me escolhestes a Mim, mas Eu que vos escolhi a vós» (Ioh 15, 16). Aqueles que iam ter poder e autoridade dentro da Igreja, não obteriam esses poderes em virtude de um oferecimento pessoal, aceite depois por Jesus, mas ao contrário. «Pois não por própria iniciativa e preparação, mas pela graça divina, seriam chamados ao apostolado» (In Marci Evangelium expositio, ad loc.).

14-19. Os Doze são escolhidos por Jesus (cfr 3, 14), recebendo uma vocação específica para serem «enviados», que é o que significa a palavra «apóstolos». Jesus escolhe-os para a missão posterior (6, 6-13), e para isso lhes outorgará parte do Seu poder. O facto de Jesus escolher precisamente doze tem um profundo significado. O seu número corresponde ao dos doze Patriarcas de Israel, e os Apóstolos representam o novo Povo de Deus, a Igreja, fundada por Cristo. Jesus quis assim pôr em relevo a continuidade entre o Antigo e o Novo Testamento. Eles são as colunas sobre as quais Cristo edifica a Igreja (cfr Gal 2,9). A sua missão consistirá em fazer discípulos do Senhor (ensinar) todos os povos, santificar e governar os crentes (Mt 28, 16-20; Mc 16, 15; Lc 24, 45-48; Ioh 20, 21-23). A própria designação dos Doze mostra que formam um grupo determinado e completo; por isso, depois da morte de Judas, o traidor, é escolhido Matias para completar este número (Act l, 15-26).

  1. O Concilio Vaticano II vê neste texto a instituição do Colégio Apostólico: «O Senhor Jesus, depois de ter orado ao Pai, chamando a Si os que Ele quis, elegeu doze para estarem com Ele e para os enviar a pregar o Reino de Deus (cfr Mc 3, 13-19; Mt 10, 1-42); e a estes Apóstolos (cfr Lc 6, 13) constituiu-os em colégio ou grupo estável e deu-lhes como chefe a Pedro, escolhido de entre eles (cfr Ioh 21, 15-17) (…). Esta missão divina confiada por Cristo aos Apóstolos durará até ao fim dos tempos (cfr Mt 28, 20), uma vez que o Evangelho que eles devem anunciar é em todo o tempo o princípio de toda a vida na Igreja. Pelo que os Apóstolos trataram de estabelecer sucessores, nesta sociedade hierarquicamente constituída» (Lumen gentium, nn. 19-20). Portanto, o Papa e os Bispos, que sucedem ao Colégio dos Doze, são também chamados pelo Senhor para estarem sempre com Jesus e pregar o Evangelho, secundados pelos presbíteros.

Insiste-se, por outro lado, em que a vida de união com Cristo e o zelo apostólico devem estar estreitamente vinculados; isto é, a eficácia no apostolado depende sempre da união com o Senhor, da oração contínua, e da vida sacramentai: «O zelo é uma loucura divina de apóstolo, que te desejo, e que tem estes sintomas: fome de intimidade com o Mestre; preocupação constante pelas almas; perseverança, que nada faz desfalecer» (Caminho, n.° 934).

  1. A frase «designou os doze», semelhante a «designou doze» do v. 14, está atestada por muitos manuscritos, apesar de que não a recolhe a Neo-vulgata. A insistência na mesma expressão e o artigo «os doze» manifestam a importância da instituição do Colégio Apostólico.
Recent Posts
Fale conosco

Escreva aqui sua mensagem que responderemos o mais breve possível. Obrigado!

Start typing and press Enter to search