In Evangelho do dia

Antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que chegara a Sua hora de passar deste mundo para o Pai, Ele que amara os Seus, que estavam no mundo, levou até ao extremo o Seu amor por eles. 2E, no decorrer da ceia, como o Diabo já tivesse metido na cabeça a Judas Iscariotes, filho de Simão, que O entregasse, 3sabendo Ele que o Pai tudo Lhe pusera nas mãos, e ainda que de Deus saíra e para Deus voltava, 4levanta-Se da mesa, depõe as vestes e, tomando uma toalha, põe-na à cintura. 5A seguir, deita água numa bacia e começa a lavar os pés aos discípulos e a enxugá-los com a toalha que pusera à cintura.

6Chega então a Simão Pedro. Senhor — Lhe diz ele — Tu vai lavar-me os pés?!

7Respondeu-lhe Jesus: O que Eu estou a fazer, não o podes entender por agora, hás-de compreendê-lo depois. 8Não — diz-lhe Pedro — nunca me lavarás os pés! Respon­deu-lhe Jesus: Se não te lavar, não terás parte comigo. 9Senhor — Lhe diz Simão Pedro — então não só os pés, mas também as mãos e a cabeça! 10Jesus respondeu-lhe: Quem tomou banho não precisa de se lavar; está todo limpo. Também vós estais limpos, mas não todos! … 11 É que Ele bem sabia quem O ia entregar; por isso é que disse: «Nem todos estais limpos». 12Depois de lhes lavar os pés, de retomar as vestes e de Se pôr de novo à mesa, disse-Ihes: 13Compreendeis o que vos fiz? Vós chamais-Me Mestre e Senhor, e dizeis bem, visto que o sou. 14Ora, se Eu vos lavei os pés, sendo Senhor e Mestre, também vós deveis lavar os pés uns aos outros. 15É que Eu dei-vos o exemplo para que, assim como Eu vos fiz, vós façais também.

Comentário

1-38. São João dedica uma grande parte do seu Evangelho (caps. 13-17) a narrar os ensinamentos de Jesus aos Apóstolos durante a Última Ceia. Nesta secção relata, além disso, alguns factos que não aparecem nos Sinópticos, como o lava-pés; e omite a instituição da Eucaristia, já transmitida pelos outros Evangelhos e por São Paulo (cfr Mt 26,26-28 e 1Cor 11,23-27), e de que o próprio São João falou no cap. 6. Nos capítulos 13 a 17 o Evangelista recorda extensamente as palavras do Senhor em ocasião tão solene.

O cap. 13 começa com uma descrição da importância do momento (vv. 1-3). A seguir narra-se o lava-pés (vv 4-11), e a explicação de Jesus deste facto (vv. 12-17). Relata depois a denúncia do que O ia entregar (vv. 18-32), e termina com o ensinamento do mandamento novo (vv. 33-35) e o anúncio da negação de Pedro (vv. 36-38).

  1. As famílias hebreias imolavam um cordeiro na vés­pera da Páscoa, segundo o mandato divino recebido à saída do Egipto, quando Deus os livrou da escravidão do Faraó (Ex 12,3-14; Dt 16,1-8). Esta libertação prefigurava a que Jesus Cristo viria realizar: redimir os homens da escravidão do pecado, mediante o Seu sacrifício na Cruz (cfr 1,29). Por­tanto, a celebração da Páscoa hebraica era o enquadra­mento mais adequado para instituir a nova Páscoa cristã.

Jesus sabia tudo o que ia acontecer e que a Sua Morte e Ressurreição estavam iminentes (cfr 18,4); por isso as Suas palavras adquirem um tom especial de confidencia e amor por aqueles que deixava neste mundo. Chegado este mo­mento, rodeado dos que escolheu e creram n’Ele, deixa-lhes os Seus últimos ensinamentos e institui a Eucaristia, fonte e centro da vida da Igreja. «O próprio Senhor quis dar àquela reunião tal plenitude de significado, tal riqueza de recor­dações, tal comoção de palavras e de sentimentos, tal novidade de actos e de preceitos, que nunca acabaremos de meditá-los e de explorá-los. É uma cena testamentária; é uma cena afectuosa e imensamente triste, ao mesmo tempo que misteriosamente reveladora de promessas divinas, de visões supremas. Lança-se por cima a morte, com inauditos presságios de traição, de abandono, de imolação; a conversa apaga-se a seguir, enquanto a palavra de Jesus flui contínua, nova, extremamente doce, tensa em confidencias supremas, movendo-se assim entre a vida e a morte» (Paulo VI, Homília de Quinta Feira Santa).

O que Cristo fez pelos Seus pode resumir-se na frase «amou-os até ao fim». Isto indica a intensidade do amor de Cristo, que vai até dar a Sua vida (cfr Ioh 15,13); mas esse amor não termina com a Sua morte, porque Ele vive, e desde a Sua ressurreição gloriosa continua a amar-nos infinita­mente: «Não nos amou só até aqui quem nos ama sempre e sem fim. Não se pode pensar que a morte tenha posto fim ao amor d’Aquele que não Se extinguiu com a morte» (In Ioann. Evang., 55,2).

  1. Os Evangelhos relatam que a presença e a acção do diabo aparecem ao longo da actividade de Jesus (cfr Mt 4,1-11; Lc 22,3; Ioh 8,44; 12,31; etc.). Satanás é o inimigo (Mt 13,39), o Maligno (1Ioh 2,Í3). São Tomás de Aquino (cfr Comentário sobre S. João, ad loc.) faz-nos notar como, neste passo, por um lado, se põe em realce a malícia de Judas, que não se rende diante de tanta prova de amor, e, por outro, sublinha-se a bondade de Cristo, que supera essa maldade diabólica ao lavar também os pés de Judas, a quem tratará como amigo até no momento supremo da traição (Lc 22,48).

3-6. Jesus, consciente de ser o Filho de Deus, humilha-Se voluntariamente até realizar a tarefa própria dos servos da casa. Este passo recorda o hino cristológico da carta de São Paulo aos Filipenses: «Cristo Jesus, sendo de condição divina, não considerou apetecível tesouro o ser igual a Deus, mas aniquilou-Se a Si mesmo, tomando a forma de servo…» (Phil 2,6-7).

Cristo tinha dito que viera ao mundo para servir e não para ser servido (Mc 10,45). Nesta cena ensina-nos o mesmo com um facto concreto, exortando-nos assim a servirmo-nos uns aos outros com toda a humildade e simplicidade (cfr Gal 6,2; Phil 2,3). «Diante dos discípulos, que discutiam por motivos de soberba e de vangloria, Jesus inclina-se e cumpre gostosamente o trabalho próprio de um servo (…). A mim comove-me esta delicadeza do nosso Cristo, porque não afirma: se Eu faço isto, quanto mais deveis fazer vós! Coloca-Se ao mesmo nível, não coage: fustiga amorosamente a falta de generosidade daqueles homens.

«Como aos primeiros Doze, o Senhor também nos pode insinuar a nós, como de facto nos insinua continuamente: exemplum dedi vobis (Ioh XIV, 15), dei-vos exemplo de humil­dade. Converti-Me em servo, para que vós saibais, com coração manso e humilde, servir todos os homens» (Amigos de Deus, n° 103).

Pedro compreende de maneira particular o profundo da humilhação do Senhor, e rebela-se, como já o fez noutras circunstâncias, opondo-se à ideia do sofrimento de Cristo (cfr Mc 8,32 e par.). Comenta Santo Agostinho: «Quem não se enche de assombro ao ver os seus pés lavados pelo Filho de Deus? (…). Tu? A mim? Mais que explicadas merecem ser meditadas estas palavras, não aconteça que a língua não seja capaz de exprimir o pouco que a nossa mente pode compreender do seu verdadeiro sentido» (In Ioann. Evang., 56,1).

7-14. Aquele gesto do Senhor tinha um profundo signi­ficado que São Pedro não podia compreender então, como também não tinha suspeitado antes dos planos salvíficos de Deus através da imolação de Cristo (ctr Mt 16,22 ss.). Depois da Ressurreição, os Apóstolos compreenderão esse mistério do serviço do Redentor; Jesus, mediante o lava-pés, exprimia de modo simples e simbólico que não tinha «vindo para ser servido, mas para servir». O Seu serviço, como já lhes tinha dito noutra ocasião, consiste sobretudo em «dar a Sua vida em redenção por muitos» (Mt 20,28; Mc 10,45).

Diz o Senhor aos Apóstolos que já estão limpos, porque aceitaram as Suas palavras e O seguiram (cfr 15,3), excepto Judas que tinha decidido atraiçoá-Lo. Assim comenta este passo São João Crisóstomo: «Estais limpos porque recebestes a Minha palavra, recebestes a luz, estais livres dos erros judaicos. Diz o Profeta: ‘Lavai-vos, purificai-vos, arremessai das vossas almas a perversidade’ (Is 1,16) (…). Jesus Cristo chama puros aos Apóstolos, segundo o que disse o Profeta, porque já arremessaram de si toda a malícia dos seus cora­ções e viveram com o seu Mestre em pureza de espírito e de coração» (Hom. sobre S. João, 70,3).

Por outro lado, quando o Senhor fala da limpeza dos Apóstolos, neste momento imediatamente anterior à insti­tuição da Santíssima Eucaristia, está a aludir à necessidade de ter a alma limpa de pecado para O receber. São Paulo repete este ensinamento quando diz: «Quem comer ou beber o cálice do Senhor indignamente será réu do Corpo e do Sangue do Senhor» (1Cor 11,27). A Igreja, fundamentada nestes ensinamentos de Jesus e dos Apóstolos, estabelece que para comungar é preciso confessar-se previamente, se há consciência, ou dúvida positiva, de pecado grave.

Recent Posts
Fale conosco

Escreva aqui sua mensagem que responderemos o mais breve possível. Obrigado!

Start typing and press Enter to search