In Evangelho do dia

12Logo o Espírito O impeliu para o deserto, 13e no deserto esteve quarenta dias tentado por Satanás; vivia com os animais selvagens e serviam-No os Anjos.

14Depois que João foi entregue, veio Jesus para a Galileia a pregar o Evangelho de Deus, 15dizendo: Terminou o prazo e está próximo o Reino de Deus. Fazei penitência e crede no Evangelho.

 

Comentário

  1. São Mateus (4, 1-11) e São Lucas (4, 1-13) narram com mais pormenores as tentações de Jesus. Jesus quis ensinar-nos, submetendo-Se às tentações, que estas não são de temer, mas, pelo contrário, podem ser a ocasião de um progresso na vida interior. «Deus permite as tentações — comenta Santo Afonso Maria de Ligório — em primeiro lugar, para que com elas reconheçamos melhor a nossa debilidade e a necessidade que temos da ajuda de Deus para não cair (…); em segundo lugar, Deus permite-as para que cada um aprenda a viver desprendido das coisas materiais e deseje mais fervorosamente chegar à contemplação de Deus no Céu (…); e, em terceiro lugar, para nos enriquecer de méritos (…). Com efeito/quando a alma começa a ser agitada por tentações e se vê em perigo de cair no pecado, recorre então a Deus, recorre à Mãe divina, renova o propósito de morrer antes que pecar, humilha-se e abandona-se nos braços da misericórdia divina, e assim consegue alcançar mais fortaleza e une-se a Deus mais estreitamente, como atesta a experiência» (Prática do amor a Jesus Cristo, cap. 17).

Por outro lado, como no caso do Senhor, nunca faltará nas tentações a ajuda divina: «Jesus suportou a prova, uma prova verdadeira (…). O Demônio, com retorcida intenção, citou o Antigo Testamento: Deus enviará os seus Anjos para que protejam o Justo em todos os seus caminhos (Ps 90, 11), Mas Jesus, recusando-Se a tentar o Pai, devolve a esse passo bíblico o seu verdadeiro sentido. E, como prêmio da Sua fidelidade, chegado o tempo, apresentam-se os mensageiros de Deus Pai para O servirem (…).

«Devemos encher-nos de ânimo, visto que a graça do Senhor não nos faltará, pois Deus estará a nosso lado e enviar-nos-á os Seus Anjos, para que sejam nossos companheiros de viagem, nossos prudentes conselheiros ao longo do caminho, nossos colaboradores em todos os empreendimentos» (Cristo que passa, n.° 63).

14-15. «Evangelho de Deus»: Esta expressão encontramo-la em São Paulo (Rom 1, 1; 2Cor. 11,7; etc.) como equivalente à de «Evangelho de Jesus Cristo» (Phil 1, 1; 2Thes 1,8; etc.), insinuando-se deste modo a divindade de Jesus Cristo. A chegada iminente do Reino exige uma conversão autêntica do homem a Deus (Mt 4,17; 10,7; Mc 6, 12; etc.). Já os Profetas tinham falado da necessidade de converter-se e de abandonar os maus caminhos que seguia Israel, longe de Deus (ler 3,22; Is 30,15; Os 14,2; etc.). Tanto João Baptista como Cristo e os Seus Apóstolos insistem em que é preciso converter-se, mudar de atitude e de vida como condição prévia para receber o Reino de Deus. Recentemente o Papa João Paulo II realça a importância da conversão perante o Reino de Deus, expressão clara da Sua misericórdia: «Portanto, a Igreja professa e proclama a conversão. A conversão a Deus consiste sempre em descobrir a Sua misericórdia, isto é, esse amor que é paciente e benigno (cfr 1Cor 13,4) à medida do Criador e Pai: o amor, a que ‘Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo’ (2Cor 1, 3) é fiel até às últimas consequências na história da aliança com o homem: até à cruz, até à morte e à ressurreição de Seu Filho. A conversão a Deus é sempre fruto do ‘reencontro’ deste Pai, rico em misericórdia.

«O autêntico conhecimento de Deus, Deus da misericórdia e do amor benigno, é uma fonte constante e inexaurível de conversão, não somente como momentâneo acto interior, mas também como disposição permanente, como estado de espírito. Aqueles que assim chegam ao conhecimento de Deus, aqueles que assim O ‘veem’, não podem viver de outro modo que não seja convertendo-se a Ele continuamente. Passam a viver in statu conversionis, em estado de conversão; e é este estado que constitui a característica mais profunda da peregrinação de todo o homem sobre a terra in statu viatoris, em estado de peregrino» (Dives in misericórdia, n. 13).

Recent Posts
Fale conosco

Escreva aqui sua mensagem que responderemos o mais breve possível. Obrigado!

Start typing and press Enter to search