In Evangelho do dia

6Surgiu um homem enviado de Deus, cujo nome era João.

7Veio como testemunha, para dar testemunho da Luz, a fim de todos crerem por seu intermédio.

8Ele não era a Luz, mas devia dar testemunho da Luz.

19Foi este o testemunho de João, quando os Judeus lhe enviaram, de Jerusalém, sacerdotes e levitas, para lhe perguntarem: Tu quem és? 20Ele confessou e não negou: Eu não sou o Messias — confessou. 21Quem és então? — perguntaramlhe. — És Elias? Não sou — respondeu ele. És o Profeta? Ele retorquiu: Não! 22Disseram-lhe então: Quem és tu?… É para darmos resposta aos que nos enviaram: Que dizes de ti mesmo? 23Ele declarou:

Sou a voz de um que brada no deserto: «Endireitai o caminho do Senhor», como disse o profeta Isaías.

24Tinham sido enviados alguns dos Fari­seus. 25Interrogaram-no eles, nestes termos: Então porque é que baptizas, se não és o Messias, nem Elias, nem o Profeta? 26Res­pondeu-lhes João, dizendo: Eu baptizo em água; mas no meio de vós se encontra quem vós não conheceis,27Aquele que vem depois de mim; a quem eu não sou digno de desatar as correias das sandálias. 28Deram-se estes factos em Betânia, além-Jordão, onde João estava a baptizar.

 

Comentário

6-8. Depois de considerar a divindade do Verbo, passa-se a tratar da Encarnação, e começa-se por falar de João Baptista, que aparece num momento histórico concreto como a testemunha directa de Jesus Cristo diante dos homens (Ioh 1,15.19-36; 3,22 ss.). Assim dirá Santo Agosti­nho: «Porque (o Verbo Encarnado) era homem e ocultava a Sua divindade, precedeu-O um grande homem com a missão de dar testemunho a favor daquele que era mais que homem» (In Ioann. Evang., 2,5).

Todo o Antigo Testamento é uma preparação para a vinda de1 Cristo. Assim os Patriarcas e os Profetas anunciaram de diversas maneiras a salvação que viria pelo Messias. Mas João Baptista, o maior dos nascidos de mulher (cfr Mt 11,11), pôde indicar com o dedo q próprio Messias (cfr Ioh 1 ,29), sendo o testemunho do Baptista a culminação de todas as profecias anteriores.

A missão de João Baptista como testemunha de Jesus Cristo é tão importante que os Evangelhos Sinópticos começam a narração do ministério público de Jesus por esse testemunho. Os discursos de São Pedro e de São Paulo, recolhidos nos Actos dos Apóstolos, também aludem ao testemunho de João (Act 1,22; 10,37; 12,24). O quarto Evangelho menciona-o sete vezes (1,6.15.19.29.35; 3,27; 5,33). Sabemos além disso, “que o apóstolo São João tinha sido discípulo do Baptista antes de o ser do Senhor, e que precisa-mente o Baptista foi quem o encaminhou para Cristo (,cfr 1,37ss.).

O Novo Testamento, pois, ensina-nos a transcendência da missão do Baptista, ao mesmo tempo que a clara consciência de este não ser senão o Precursor imediato do Messias, ao qual não é digno de desatar as correias das Suas sandálias (cfr Mc 1 ,7); por isso o Baptista insiste no seu papel de testemunha de Cristo e na sua missão de preparar o caminho ao Messias (cfr Lc 1,15-17; Mt 3,3-12). O testemunho de João Baptista permanece através dos tempos, convidando todos os homens a abraçar a fé em Jesus, a Luz verdadeira.

19-34. Este passo constitui uma unidade, que começa e termina a falar do testemunho do Baptista. Assim se sublinha a missão que Deus lhe confiou de testemunhar, com a sua vida e com a sua palavra, que Jesus Cristo é o Messias e Filho de Deus. O Precursor exorta à penitência vivendo ele próprio esse espírito de austeridade que pregava; indica Jesus como Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, e proclama-O com coragem diante dos judeus. A figura grave do Baptista é modelo da fortaleza com que devemos confessar Cristo: «Com efeito, todos os fiéis cristãos, onde quer que vivam, têm obrigação de manifestar, pelo exemplo da vida e pelo testemunho da palavra, o homem novo de que se revestiram pelo Baptismo…» (Ad gentes, n. 11).

19-24. Num ambiente de intensa expectativa messiâ­nica, o Baptista aparece como uma figura rodeada de um prestígio extraordinário; prova disso é que as autoridades judaicas enviam personagens qualificadas (sacerdotes e levitas de Jerusalém) a perguntar-lhe se é o Messias.

Chama a atenção a grande humildade de João: adianta-se aos seus interlocutores afirmando: «Não sou o Cristo». Considera-se tão pequeno diante do Senhor que dirá: «Não sou digno de desatar a correia das Suas sandálias» (v. 27). Toda a fama de que desfrutava põe-na ao serviço da sua missão de Precursor do Messias e, com esquecimento total de si mesmo, afirma que «é necessário que Ele cresça e que eu diminua» (Ioh 3,30).

25-26. «Baptizar»: Significava originariamente sub­mergir na água, banhar. O rito da imersão exprimia entre os Judeus a purificação legal daqueles que tivessem contraído alguma impureza prevista pela Lei. Existia também o baptismo dos prosélitos, que era um dos ritos de incorporação dos gentios no povo judeu. Nos manuscritos do Mar Morto fala-se de um baptismo como rito de iniciação e purificação dos adeptos à seita judaica de Qumrán, que existia em tempos de Nosso Senhor.

O baptismo de João tinha um marcado caracter de con­versão interior. As palavras de exortação que pronunciava o Baptista e o reconhecimento humilde dos pecados por parte ]. dos que acorriam a ele dispunham para receber a graça de Cristo. O baptismo de João constituía, pois, um rito de penitência muito apto para preparar o povo para a vinda do Messias, cumprindo-se com isso as profecias que falavam j precisamente de uma purificação pela água perante o advento do Reino de Deus nos tempos messiânicos (cfr Zach 13,1; Ez 36,25; 37,23; ler 4,14). O baptismo de João, todavia, não tinha poder para limpar a alma dos pecados, como faz o Baptismo cristão (cfr Mt 3,11; Mc 1,4). «Quem vós não conheceis»: Com efeito, Jesus ainda não Se tinha manifestado publicamente como o Messias e Filho de Deus; ainda que alguns O conhecessem enquanto homem, São João Baptista pode afirmar que realmente não O conhe­ciam.

  1. O Baptista declara a primazia de Cristo sobre ele por meio da comparação do escravo que desata a correia das sandálias do seu senhor. Para nos aproximarmos de Cristo, que João anuncia, é preciso imitar o Baptista. Como diz Santo Agostinho: «Entenderá estas palavras quem imite a humildade do Precursor… O mérito maior de João é, meus irmãos, este acto de humildade» (In Ioann. Evang., 4,7).

28. Refere-se à cidade de Betânia que estava situada na margem oriental do Jordão, em frente de Jerico, diferente da Betânia onde vivia a família de Lázaro, próximo de Jeru­salém (cfr Ioh 11,18).

Recent Posts
Fale conosco

Escreva aqui sua mensagem que responderemos o mais breve possível. Obrigado!

Start typing and press Enter to search