In Evangelho do dia

14Então um dos doze, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os Príncipes dos sacer­dotes 15e disse-lhes: Que me quereis dar para eu vo-Lo entregar? E eles deram-lhe em paga trinta moedas de prata. 16E desde então buscava uma ocasião oportuna para O en­tregar.

17No primeiro dia dos ázimos, aproximaram-se de Jesus os discípulos e disseram-Lhe: Onde queres que Te façamos os prepa­rativos para comer a Páscoa? 18E Ele disse: Ide à cidade, a casa de um tal e dizei-lhe: «O Mestre manda dizer: O Meu tempo está próximo: quero celebrar a Páscoa com os Meus discípulos em tua casa». 19Fizeram os discípulos como o Senhor lhes ordenara e prepararam a Páscoa.

20Ao anoitecer, estava Jesus à mesa com os doze; 21e durante a ceia disse: Em verdade vos digo que um de vós Me há-de entregar. 22Entristeceram-se eles profundamente e ca­da um começou a perguntar-Lhe: Porventu­ra sou eu, Senhor? 23Ele respondeu: O que mete comigo a mão no prato, esse Me há-de entregar. 24O Filho do homem vai, conforme está escrito d’Ele; mas ai daquele por quem o Filho do homem vai ser entregue. Melhor lhe fora a esse homem não ter nascido. 25Tomou aqui a palavra Judas, o que O traíra, e disse: Porventura sou eu, Rabi? E Ele respondeu: Tu o disseste.

Comentário

  1. Desconcerta e põe de sobreaviso pensar como Judas Iscariotes chegou a vender quem ele tinha considerado como Messias e de quem tinha recebido o chamamento para o ministério apostólico. Trinta ciclos ou moedas de prata era o preço de um escravo (cfr Ex 21, 32), a mesma quantia pela qual Judas vendeu o Mestre.
  2. Ázimos são os pães sem fermento que deviam comer-se durante sete dias, em recordação do pão sem fermentar que os Israelitas tiveram de tomar apressadamente ao sair do Egipto (cfr Ex 12, 34). No tempo de Jesus a ceia de Páscoa celebrava-se no primeiro dia da semana de Ázimos.
  3. Embora a expressão indique uma pessoa, cujo nome não se diz, é de supor que o Senhor o tenha designado concretamente. Em qualquer caso, sabemos pelos outros evangelistas (Mc 14, 13 Lc 22, 10) que Jesus deu indicações suficientes para que os discípulos pudessem encontrar a casa.
  4. Embora não tivessem sucedido ainda os aconteci­mentos gloriosos da Páscoa, que dariam aos Apóstolos um conhecimento superior sobre Jesus, contudo, no seu convívio com o Senhor e pela graça divina, que já tinham vindo a receber (cfr Mt 16, 17), os Apóstolos, ao longo do ministério público, tinham robustecido e aprofundado a sua fé em Jesus (cfr Ioh 2,11; 6, 68-69). Neste momento estão persuadidos de que o Senhor conhece as próprias disposições interiores deles e o que vão fazer. Por isso, cada um faz-Lhe a inquietante pergunta acerca da sua própria fidelidade futura.
  5. Jesus alude a que Ele próprio Se entregará volunta­riamente à Paixão e à Morte. Com isso, também cumpria a Vontade divina, anunciada desde tempos antigos (cfr Ps 41, 10; Is 53, 7). Ainda que Nosso Senhor vá para a morte por própria vontade, não por isso diminui o pecado do traidor.
  6. O anúncio da traição de Judas passou despercebido aos outros apóstolos (cfr Ioh 13,26-29).
Recent Posts
Fale conosco

Escreva aqui sua mensagem que responderemos o mais breve possível. Obrigado!

Start typing and press Enter to search