In Evangelho do dia

21Quem tem os Meus mandamentos e os guarda, esse é que Me ama. E quem Me ama será amado por Meu Pai, e Eu amá-lo-ei e manifestar-Me-ei a ele.

22Diz-lhe Judas, não o Iscariotes: Senhor, e como é que Te vais manifestar a nós, e não ao mundo? 23Respondeu-lhe Jesus, dizendo: Se alguém Me ama, há-de guardar a Minha palavra; Meu Pai amá-lo-á e nós viremos a ele e estabeleceremos nele habitação. 24Quem Me não ama não guarda as Minhas palavras; e a palavra que estais a ouvir não é Minha, é do Pai, que Me enviou.

25Isto tenho-vos Eu dito na Minha permanência entre vós. 26Mas o Assistente, o Espírito Santo, que o Pai vai enviar em Meu nome, é que vos há-de ensinar tudo e vos recordará tudo o que Eu vos disse.

Comentário

22-23. Era crença comum entre os Judeus que quando chegasse o Messias Se manifestaria a todo o mundo como Rei e Salvador. Os Apóstolos entendem as palavras de Jesus como uma manifestação reservada só a eles, e admiram-se. Daí a pergunta de Judas Tadeu. Pode observar-se a confiança dos Apóstolos no convívio com o Senhor, como Lhe perguntam o que não sabem e O consultam acerca das suas dúvidas. E um exemplo de como devemos dirigir-nos a quem é também o nosso Mestre e Amigo.

A resposta de Jesus é aparentemente evasiva, mas na realidade, ao indicar o modo dessa manifestação, explica por que não Se manifesta ao mundo: Ele dá-Se a conhecer a quem O ama e guarda os Seus mandamentos. Deus tinha-Se manifestado repetidas vezes no Antigo Testamento e tinha prometido a Sua presença no meio do povo (cfr Ex 29,45; Ez 37,26-27; etc.). Pelo contrário, aqui Jesus fala-nos de uma presença em cada pessoa. A esta presença refere-se São Paulo quando afirma que cada um de nós é templo do Espírito Santo (cfr 2 Cor 6,16-17). Santo Agostinho, ao considerar a proximidade inefável de Deus na alma, exclama: «Tarde Te amei, formosura tão antiga e tão nova, tarde Te amei; eis que Tu estavas dentro de mim e eu fora, e por fora Te buscava (…). Tu estavas comigo, mas eu não estava contigo. Tinham-me longe de Ti as coisas que, se não estivessem em Ti, não existiriam. Tu chamaste-me claramente e quebraste a minha surdez; brilhaste, resplandeceste e curaste a minha cegueira» (Confissões, X, 27,38).

Jesus refere-Se à habitação da Santíssima Trindade na alma, renovada pela graça: «O coração sente então a necessidade de distinguir e adorar cada uma das pessoas divinas. De certo modo, é uma descoberta que a alma faz na vida sobrenatural, como as de uma criancinha que vai abrindo os olhos à existência. E entretém-se amorosamente com o Pai e com o Filho e com o Espírito Santo; e submete-se facilmente à actividade do Paráclito vivificador, que Se nos entrega sem o merecermos: os dons e as virtudes sobrenaturais!» (Amigos de Deus, n.° 306).

25-26. Jesus expôs com clareza a Sua doutrina, mas os Apóstolos não podiam entendê-la plenamente; entendê-la-ão depois, quando receberem o Espírito Santo, o Espírito da Verdade que os guiará até à verdade completa (cfr Ioh 16,13). «Com efeito, o Espírito Santo ensinou e recordou: ensinou tudo aquilo que Cristo não tinha dito por superar as nossas forças, e recordou o que o Senhor tinha ensinado e que, quer pela obscuridade das coisas, quer pela rudeza do seu entendimento, eles não tinham podido conservar na memória» (Teofilacto, Enarratio in Evangelium Ioannis, ad loc.).

O termo que traduzimos por «recordar» inclui também a idéia de «sugerir»: o Espírito Santo trará à memória dos Apóstolos o que já tinham escutado a Jesus, mas com uma luz tal que os capacitará para descobrir a profundidade e a riqueza do que tinham visto e escutado. Assim, «os Apóstolos transmitiram aos seus ouvintes, com aquela compreensão mais plena de que eles, instruídos pelos acontecimentos gloriosos de Cristo e iluminados pelo Espírito de verdade, gozavam (cfr 2,22), as coisas que Ele tinha dito e feito» (Dei Verbum, n. 18).

«Cristo não deixou os Seus seguidores sem guia na tarefa de compreender e viver o Evangelho. Antes de voltar ao Pai prometeu enviar o Seu Espírito Santo à Igreja: ‘Mas o Paráclito, o Espírito Santo que o Pai enviará em Meu nome, Ele vos ensinará tudo e vos recordará todas as coisas que vos disse’. Este mesmo Espírito guia os sucessores dos Apóstolos, os vossos Bispos unidos ao Bispo de Roma, a quem encarregou de manter a fé e ‘pregar o Evangelho a toda a criatura’ (Mc 16,15). Escutai a sua voz, pois vos transmite a palavra do Senhor» (João Paulo II, Homília Santuário de Knock).

Nos Evangelhos ficaram escritas, sob o carisma da inspiração divina, as recordações e a compreensão que tinham os Apóstolos, depois do Pentecostes, daquelas coisas de que tinham sido testemunhas. Por isso tais escritos sagrados «narram fielmente o que Jesus, o Filho de Deus, vivendo entre os homens, fez e ensinou realmente até ao dia da Ascensão (cfr Act 1,1-2)» (Dei Verbum, n. 11). Por isso também a Igreja tem recomendado insistentemente a leitura da Sagrada Escritura e especialmente dos Evangelhos. «Oxalá fossem tais as tuas atitudes e as tuas palavras, que todos pudessem dizer quando te vissem ou ouvissem falar: ‘Este lê a vida de Jesus Cristo» (Caminho, n.° 2).

Recent Posts
Fale conosco

Escreva aqui sua mensagem que responderemos o mais breve possível. Obrigado!

Start typing and press Enter to search