In Evangelho do dia

13Em seguida, saiu outra vez para a beira-mar; e todo o povo concorria para junto d’Ele, e Ele ensinava-os. 14Ao passar, viu Levi, filho de Alfeu, sentado ao telónio e disse-lhe:  Segue-Me. E Ele levantou-se e seguiu-O. I5E sucedeu que, estando à mesa em casa dele, também muitos publicanos e pecadores se puseram à mesma mesa com Jesus e Seus discípulos, porque eram muitos os que O seguiam. l6Os Escribas dos Fariseus, ao verem-No a comer com os pecadores e publicanos, diziam aos discípulos: Porque é que Ele come e bebe com os publicanos e pecadores? 17Mas Jesus, que os ouvia, diz-lhes: Não precisam de médico os sãos, mas os doentes. Não vim chamar justos, mas pecadores.

Comentário

  1. São Marcos e São Lucas (5, 27-32) coincidem em chamar-lhe «Levi». O primeiro Evangelho, porém (Mt 9, 9-13), chama-lhe «Mateus». Trata-se de uma mesma pessoa, ainda que tenha nomes diferentes. Nos três relatos dão-se as mesmas circunstâncias. Mais adiante, São Marcos e São Lucas, ao darem a lista dos Apóstolos (Mc 3, 13-19; Lc 6, 12-16), incluem Mateus, não Levi. Os Santos Padres identificaram-nos. Além disso, era frequente entre os Judeus terem dois nomes: Jacob-Israel; Simão-Pedro; Saulo-Paulo; José-Caifás; João-Marcos… Com frequência, o nome e o sobrenome estavam relacionados com uma mudança significativa na vida e missão de tal pessoa. Terá havido também neste caso uma mudança originada pela irrupção salvadora de Jesus na vida do apóstolo? O Evangelho nada diz.

Levi-Mateus, pela sua condição de publicano (Mt 9,9-13), estava a cobrar os impostos no «telónio» — posto público para o pagamento de tributos —. Os publicanos eram cobradores ao serviço dos romanos. Por isso era um ofício odiado e desprezado pelo povo, ainda que, ao mesmo tempo, apetecido pela facilidade de enriquecimento. Quando Jesus chama Mateus, este deixa tudo. Obedece imediatamente à vocação de Jesus, que lhe dá a graça para responder ao Seu chamamento.

Jesus é o fundamento da confiança na nossa própria transformação, se colaborarmos com a Sua graça, por mais desprezível que tenha sido o nosso comportamento anterior. E é também o fundamento da confiança para o nosso apostolado em favor da conversão e santificação dos outros. Ele, que é o Filho de Deus, até das pedras é capaz de tirar filhos de Deus (cfr Mt 3, 9). Cfr a nota a Mt 9. 9.

  1. À pergunta que, em tom de censura, os escribas e os fariseus fazem aos discípulos, Jesus responde com um provérbio já conhecido: «Não têm necessidade de médico os sãos, mas os doentes». Ele é o médico das almas e veio para curar os pecadores das doenças espirituais de que padecem. O Senhor chama a todos, a Sua missão redentora é universal; noutras ocasiões afirma-o utilizando parábolas como a do banquete de núpcias (Mt 22, 1-14; Lc 14, 16-24). Como explicar então essa restrição que parece pôr aqui o Senhor, ao dizer que não veio para chamar os justos? Não se trata na realidade de uma restrição. Jesus aproveita a ocasião para censurar aos escribas e fariseus a sua atitude orgulhosa: consideravam-se justos e a sua complacência nesta aparente virtude afastava-os do chamamento à conversão, pensando que se salvariam por si mesmos (cfr Ioh 9, 41). Assim se pode explicar este provérbio pronunciado por Jesus, que, por outro lado, deixou claro na Sua pregação que «ninguém é bom senão um, Deus» (Mc 10,18), e que todos os homens têm de recorrer à misericórdia e ao perdão de Deus para se salvarem. Porque, em última análise, não há dois blocos na humanidade: um de justos e outro de pecadores. Todos somos pecadores, como atesta São Paulo: «Todos pecaram e carecem da glória de Deus» (Rom 3, 23). Precisamente por isto. Cristo veio para nos chamar a todos, e àquele que responde ao Seu chamamento, fá-lo justo.

As palavras do Senhor devem mover-nos também a rezar com humildade e confiança por aquelas pessoas que parece que querem continuar a viver no pecado. Como suplicava Santa Teresa: «Oh, que dura coisa Vos peço, verdadeiro Deus meu: que ameis a quem não vos ama, que abrais a quem não Vos chama, que deis saúde a quem gosta de estar doente e anda a procurar a doença! Vós dizeis, Senhor meu, que vindes buscar os pecadores. Estes, Senhor, são os verdadeiros pecadores. Não olheis a nossa cegueira, meu Deus. mas o muito sangue que derramou o Vosso Filho por nós; resplandeça a Vossa misericórdia em tão crescida maldade; olhai, Senhor, que somos feitura Vossa» (Exclamações, n.° 8).

Por outro lado, os Santos Padres costumam entender esse chamamento de Jesus aos pecadores como um convite ao arrependimento e à penitência. Assim, São João Crisóstomo (Hom. sobre S. Mateus, 30,3) explica a frase, pondo na boca de Jesus estas palavras: «Não vim para que continuem a se,r pecadores, mas para que se convertam e cheguem a ser melhores».

Recent Posts
Fale conosco

Escreva aqui sua mensagem que responderemos o mais breve possível. Obrigado!

Start typing and press Enter to search