Evangelho do dia 11.09.2017 – Lc 6, 6-11 – Leia o Evangelho do dia – Segunda-feira – 23ª Semana do tempo comum

6Noutro sábado, entrou na sinagoga e pôs-Se a ensinar. Estava lá um homem que tinha a mão direita ressequida. 7Ora os Escribas e os Fariseus observavam-No de perto, para verem se Ele realizaria uma cura ao sábado, a fim de acharem com que acusá-Lo. 8Mas Ele conhecia-lhes os pensamentos. Disse então ao homem que tinha a mão ressequida: Levanta-te e põe-te de pé, aí no meio. Este levantou-se e ficou de pé. 9Disse-lhes Jesus: Pergunto-vos se é permitido, ao sábado, fazer bem ou fazer mal, salvar a vida ou tirá-la? 10E, olhando-os a todos em volta, disse ao homem: Estende a mão, Ele estendeu-a, e a mão ficou-lhe curada. 11Eles encheram-se de fúria e começaram a falar entre si do que haviam de fazer a Jesus.

Comentário

  1. Os Santos Padres ensinam-nos a descobrir um profundo sentido espiritual mesmo naquelas palavras do Senhor que podem parecer irrelevantes à primeira vista. Assim, Santo Ambrósio comenta a frase «estende a mão»: «Este remédio é comum e geral (…). Estende-a muitas vezes, favorecendo o teu próximo; defende de qualquer injúria a quem vejas sofrer sob o peso da calúnia, estende também a tua mão ao pobre que te pede; estende-a também ao Senhor pedindo-Lhe o perdão dos teus pecados: é assim como se deve estender a mão, e é assim como se cura» (Expositio Evangelii sec. Lucam, ad loc.).

11. Perante a pergunta do Senhor os fariseus não querem responder, e diante do milagre que realiza depois não sabem que dizer. Deveriam ter-se convertido, mas o seu coração ofusca-se e enche-se de inveja e de furor. Depois, aqueles que não tinham falado diante do Senhor começam a dialogar entre si, não para se aproximarem de Cristo mas para O perder. Neste sentido comenta São Cirilo: «Oh fariseu!, vês O que faz coisas prodigiosas e cura os doentes em virtude de um poder superior e tu projectas a Sua morte por inveja» (Commentarium in Lucam, ad loc.).