In Evangelho do dia

21Disse-lhes ainda: Eu vou-Me embora; haveis de procurar-Me, mas morrereis no vosso pecado. Vós não podeis vir para onde Eu vou. 22Ele foi-lhes dizendo: Vós sois cá de baixo, Eu sou lá de cima; vós sois deste mundo, Eu não sou deste mundo. 24Ora Eu disse-vos: «Morrereis nos vossos pecados, visto que, se não acreditardes que Eu sou, haveis de morrer nos vossos pecados».

25Perguntaram-Lhe então: Tu quem és? Disse-lhes Jesus: Precisamente aquilo que vos digo! 26Tenho, a vosso respeito, muito que dizer e que julgar. Mas Aquele que Me enviou é verídico e Eu, o que Lhe ouvi, ao mundo o comunico. 27Eles não perceberam que lhes falava do Pai. 28Disse então Jesus: Quando elevardes o Filho do homem, então sabereis que Eu sou e que por Mim nada faço, mas conforme o Pai Me ensinou é que falo. 29Aquele que Me enviou está comigo: não Me deixou só, porque Eu sempre faço o que é do Seu agrado. 30Enquanto assim falava, muitos acreditaram n’Ele.

Comentário

21-24. Ao começar o Seu ministério público, Jesus apresentou-Se com os traços próprios do Messias prometido; alguns reconhecem-No como tal e aderem a Ele (cfr Ioh 1,12-13; 4_42; 6,69; 7,41); mas as autoridades hebreias, apesar de esperarem a vinda do Messias (cfr Ioh 1,19 ss.), persistem na sua atitude de repulsa perante Jesus. Daí à advertência que agora lhes dirige: Ele vai aonde eles não podem ir, isto é, irá para o Céu donde procede (cfr Ioh 6,41 ss.) e eles continuarão a esperar o Messias anunciado pelos profetas; mas nem encontrarão o Messias, porque o buscam fora de Jesus, nem agora O podem seguir, porque não creem n’Ele. Vós sois deste mundo — vem o Senhor dizer-lhes —, não por estardes na terra mas por viverdes sob o influxo do príncipe deste mundo (cfr Ioh 12,31; 14,30; 16,11), por serdes vassalos e realizardes as suas obras (cfr 15,19); por isto morrereis nos vossos pecados. «Todos nascemos com pecado — comenta Santo Agostinho —; todos durante a vida acrescentamos outros ao pecado de origem, e temo-nos feito mais do mundo do que éramos quando nascemos dos nossos pais. Onde estaríamos se aquele que não tem sombra de pecado não tivesse vindo para destruir todo o pecado? Os judeus, por não crerem n’Ele, foram justamente sentenciados: Morrereis nos vossos pecados» (In Ioann. Evang., 38,6).

A salvação que Cristo traz será aplicada a todos os que creem na Sua divindade. A divindade é declarada quando Jesus diz «Eu sou», porque esta expressão, repetida noutras ocasiões (cfr Ioh 8,28; 13,19), estava reservada a Yahwéh no Antigo Testamento (cfr Dt 32,39; Is 43,10-11), onde Deus, ao revelar o Seu Nome, e com ele a Sua essência, diz a Moisés: «Eu sou o que sou» (Ex 3,14). Com esta expressão tão profunda Deus diz de Si mesmo que é o Ser supremo em sentido absoluto e pleno, que não depende de nenhum outro ser, e do qual todos dependem no seu ser e no seu existir. Assim, pois, Jesus ao dizer de Si mesmo «Eu sou» revela que é Deus.

  1. Pouco antes Jesus tinha falado da Sua origem celeste e da Sua natureza divina (cfr vv. 23-24); mas os judeus resistem a aceitar essa revelação; por isso buscam agora uma declaração ainda mais explícita: «Tu quem és?». A resposta do Senhor pode entender-se de diversas maneiras, pois o texto grego admite dois sentidos: 1) o Senhor confirma o que tinha proclamado imediatamente antes (cfr vv. 23-24) ou ao longo do Seu ensino em Jerusalém, e assim pode tradu­zir-se «absolutamente», ou então, «em primeiro lugar o que vos estou a dizer». Esta é a interpretação da Neo-vulgata. 2) Jesus indica que Ele é o «Princípio», termo que São João utiliza também no Apocalipse para designar o Verbo, causa de toda a criatura (Apc 3,14; cfr Apc 1,8). Com isso exprime Jesus a Sua origem divina: esta é a interpretação da Vulgata. Em qualquer dos casos. Cristo manifesta de novo a Sua divin­dade, reafirmando o que disse antes, mas sem voltar a repetir as palavras que já escutaram.

Esta mesma pergunta dos judeus põe-se a muitos homens do nosso tempo: « Quem era Jesus? A nossa fé exulta e grita: é Ele, é Ele, o Filho de Deus feito homem; o Messias que esperávamos: é o Salvador do mundo, é, finalmente, o Mestre da nossa vida; é o Pastor que conduz os homens aos seus pastos no tempo, aos seus destinos mais além do tempo; é a alegria do mundo; a imagem do Deus invisível; o Caminho, a Verdade e a Vida; é o Amigo íntimo, o que nos conhece inclusivamente de longe e penetra os nossos pensa­mentos; é o que nos pode perdoar, consolar, curar, inclusiva­mente ressuscitar; e é Aquele que voltará, juiz de todos e de cada um, na plenitude da Sua glória e da nossa felicidade eterna» (Paulo VI, Audiência geral, ll-XII-1974.

26-27. «Aquele que Me enviou»: Expressão que se en­contra muito frequentemente no Evangelho de São João para se referir a Deus Pai (cfr 5,37; 6,44; 7,28; 8,16).

Os judeus que escutavam Jesus não compreendiam a quem Se estava a referir ao dizer «Aquele que Me enviou»; mas São João explica, ao narrar este episódio, que Cristo fala de Deus Pai, de Quem procede.

«Lhes falava do Pai»: Esta é a leitura da maioria dos códices gregos, entre eles os mais importantes. Outros códices gregos e algumas versões, como a Vulgata, leem «chamava Deus a Seu Pai».

« O que Lhe ou vi»: Jesus tem um conhecimento conatural do Pai, e segundo este conhecimento fala aos homens; não conhece por revelação ou por inspiração como os profetas ou os hagiógrafos, mas de um modo infinitamente superior. Por isso podia dizer que ninguém conhece o Pai senão o Filho e aquele a quem o Filho queira revelá-lo (cfr Mt 11,27).

Acerca da ciência que Jesus Cristo tinha durante a Sua vida na terra veja-se a nota a Lc 2,52.

  1. O Senhor refere-Se à Sua Paixão e Morte: «E Eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a Mim. Dizia isto assinalando de que morte ia morrer» (Ioh 12,32-33). Completando os Sinópticos e as Cartas de São Paulo, o quarto Evangelho apresenta a Cruz, sobretudo como um trono real em que Cristo «posto no alto» oferece a todos os homens os frutos da salvação (cfr Ioh 3,14-15; cfr também Num 21,9 ss.; Sap 16,6).

Jesus diz que, chegado aquele momento, os judeus conheceriam quem era Ele e a estreita união que tinha com o Pai, porque muitos deles descobririam, mercê da Sua Morte seguida da Ressurreição, que era o Messias, o Filho de Deus (cfr Mc 15,39; Lc 23,47 s.). Depois da vinda do Espírito Santo serão milhares as pessoas que crerão n’Ele (cfr Act 1,41; 4,4).

Recent Posts
Fale conosco

Escreva aqui sua mensagem que responderemos o mais breve possível. Obrigado!

Start typing and press Enter to search