In Evangelho do dia

45E Ele obrigou logo os Seus discípulos a embarcar e ir adiante para o outro lado, para Betsaida, enquanto Ele despedia o povo. 46Depois de os mandar embora, retirou-Se para o monte, a orar.

47Ao cair da noite, estava o barco a meio do mar, e Ele sozinho em terra. 48Vendo-os afadigados a remar, pois o vento era-lhes contrário, cerca da quarta vigília da noite, vem ter com eles, caminhando sobre o mar, e queria passar-lhes adiante. 49Eles, ao verem-No caminhar sobre o mar, julgaram que era um fantasma e gritaram; 50porque todos O tinham visto e ficaram assustados. Mas logo Ele lhes falou, dizendo: Tende confiança, sou Eu, não temais. 51E subiu para junto deles, no barco e cessou o vento. Com isto ficavam ainda muitíssimo mais assombrados, 52pois nem com os pães tinham compreendido, por terem a inteligência obtusa.

Comentário


  1. 48. A noite, segundo o uso romano, dividia-se em quatro partes ou vigílias, cuja duração variava em cada época do ano. São Marcos dá o nome popular das quatro em 13, 35; entardecer, meia noite, canto do galo e aurora. O Senhor, portanto, dirigiu-se aos discípulos pelo amanhecer.

Com este inolvidável acontecimento quis ensinar-lhes que no meio das situações mais apertadas e inexplicáveis da vida, Ele está próximo de nós para nos ajudar a seguir para a frente, não sem antes nos ter deixado lutar para que se fortaleça a nossa esperança e se forge o nosso caracter (cfr a nota a Mt 14, 24-33), como diz um antigo comentador grego: « O Senhor permitiu que os Seus discípulos corressem perigo para que se tornassem pacientes, e não lhes acudiu imediatamente, mas deixou-os no perigo toda a noite, a fim de os ensinar a esperar com paciência e para que não se acostumassem a receber imediatamente o socorro nas tribulações» (Enarratio in Evangelium Marci, ad loc.).

  1. Os discípulos não acabam de entender os milagres de Jesus como sinais da Sua divindade. Assim acontece diante dos milagres da multiplicação dos pães e dos peixes (Mc 6, 33-44) e da segunda multiplicação dos pães (Mc 8, 17). Diante destas maravilhas sobrenaturais, os Apóstolos têm ainda o seu coração e a sua inteligência endurecidos; não chegam a descobrir em toda a sua profundidade o que Jesus lhes está a ensinar com os Seus feitos: que Ele é o Filho de Deus. Jesus Cristo é compreensivo e paciente com estes defeitos dos Seus discípulos: também não entenderão quando Jesus lhes falar da Sua própria Paixão (Lc 18, 34). O Senhor multiplicará os Seus ensinamentos e milagres para iluminar as inteligências dos discípulos, e mais tarde enviará o Espírito Santo, que lhes ensinará todas as coisas e lhes recordará os Seus ensinamentos (cfr Ioh 14,26).

São Beda o Venerável faz o seguinte comentário a todo o episódio (Mc 6, 45-52): «Em sentido místico, o trabalho dos discípulos a remar e o vento contrário assinalam os trabalhos da Igreja santa que, entre as vagas do mundo inimigo e a exalação dos espíritos imundos, se esforça por chegar ao descanso da pátria celeste. Com razão, pois, se diz que a barca estava no meio do mar e Ele só em terra, porque a Igreja nunca foi tão intensamente perseguida pelos gentios que parecesse que o Redentor a tivesse abandonado de todo. Mas o Senhor vê os Seus a lutar no mar e, para que não desfaleçam nas tribulações, fortalece-os com o seu olhar de misericórdia e algumas vezes livra-os do perigo com a Sua clara ajuda» (In Marci Evangelium expositio, ad loc.).

Recent Posts
Fale conosco

Escreva aqui sua mensagem que responderemos o mais breve possível. Obrigado!

Start typing and press Enter to search