In Sem categoria

12Quando ouviu que João fora entregue, retirou-se para a Galileia. 13E, deixando Nazaré, passou a morar em Cafarnaum, à beira-mar, nos confins de Zabulão e de Neftalim, 14para se cumprir o que fora anun­ciado pelo profeta Isaías, que diz: 15«Terra de Zabulão e terra de Neftalim, para os lados do mar, terra de Além-Jordão, Galileia dos Gentios:

16O povo que jazia nas trevas viu uma grande luz, e a luz amanheceu aos que jaziam na região caliginosa da morte».

17Desde então, começou Jesus a pregar e a dizer: Fazei penitência, porque está próximo o Reino dos Céus.

23E Jesus discorria por toda a Galileia, ensinando nas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino e curando todas as doenças e todas as enfermidades no povo. 24A Sua fama espalhou-se por toda a Síria, e traziam-Lhe todos os doentes, atormentados de várias enfermidades e padecimentos, possessos, lunáticos e paralíticos, e Ele curava-os. 25E seguiam-No grandes multidões da Galileia, da Decápole, de Jerusalém, da Judeia e da Transjordânia.

Comentário

13-16. São Mateus cita aqui a profecia de Isaías 8,23-9, l. A região, que é mencionada com diversas referências (Zabulão, Neftalim, para os lados do mar, terra de Além-Jordão), foi invadida pelos assírios pelos anos 734-721 a.C., sobretudo no tempo de Teglatfalasar III. Parte da população hebraica da região foi deportada, ao mesmo tempo que foram trazidos grandes grupos de populações estrangeiras para colonizar o país. Por esta causa, a partir dessa data, na Bíblia é costume chamar-se-lhe «Galileia dos gentios».

O Evangelista, inspirado por Deus, viu o cumprimento da profecia de Isaías nesta vinda de Jesus à Galileia. Com efeito, esta terra devastada e maltratada em tempo de Isaías, será a primeira a receber a luz da vida e da pregação de Jesus Cristo. Portanto, o sentido messiânico da profecia é claro.

  1. Veja-se a nota a Mt 3, 2. O versículo indica a transcendência do momento inicial da pregação pública de Jesus, que começa pela proclamação da iminência do Reino de Deus. Jesus entronca na proclamação de João Baptista: pode apreciar-se uma coincidência até literal entre a segunda frase deste versículo e Mt 3,2. Esta coincidência sublinha a função que teve São João Baptista como profeta e precursor de Jesus. Tanto o Baptista como Nosso Senhor exigem o arrependimento, a penitência, como condição prévia para o acolhimento do Reino de Deus que começa.

O reinado de Deus sobre os homens é tema central da Revelação de Jesus Cristo, como o tinha sido no AT. Mas então, o Reino de Deus tinha tido uma matização que se pode chamar teocrática: Deus reinava sobre Israel tanto no espiritual como no temporal, e, por meio dele, submeteria ao Seu domínio as outras nações. Agora Jesus irá explicando de modo progressivo a renovada natureza deste Reino de Deus, que chegou à sua plenitude, situando-o no seu plano espiritual de amor e santidade, e purificando-o dos desvios nacionalistas dos judeus.

Este Reino, para o qual o Rei convida todos sem excepção (cfr Mt 22, 1-14), tem na terra o seu Banquete, que exige certas condições, que os propagadores deste Reino hão-de pregar. «Portanto, o banquete eucarístico é o centro da assembleia dos fiéis a que o presbítero preside. Por isso, os presbíteros ensinam os fiéis a oferecer a Deus Pai a vítima divina no sacrifício da missa, e a fazer, com ela, a oblação da sua vida; com o espírito de Cristo Pastor, ensinam-nos a submeter de coração contrito à Igreja no sacramento da Peni­tência os próprios pecados, de tal modo que se convertam cada vez mais no Senhor, lembrados das Suas palavras: ‘Fazei penitência, porque o reino dos céus está próximo’» (Presbyterorum ordinis, n. 5).

  1. «Sinagoga»: E um nome de origem grega que designa o edifício onde se reúnem os judeus, no dia de Sábado e noutros dias festivos, para celebrar os cultos religiosos, exceptuados os sacrifícios, que só podiam realizar-se no Templo de Jerusalém. A sinagoga era também o lugar onde se atendia à formação religiosa dos judeus. Eram também indicadas com este nome as pequenas comunidades judaicas dentro da Palestina ou no estrangeiro.
  2. «Lunático»: De modo muito genérico aplicava-se este nome aos que padeciam de afecções de tipo epiléptico, que segundo a opinião vulgar dependiam das fases da lua.

23-25. Encontramos aqui um magnífico sumário, onde o Evangelista resume em poucas linhas amplos aspectos da actividade de Jesus. A pregação do evangelho ou «boa nova» do Reino, as curas de doenças e as expulsões de demônios são sinais específicos da actividade do Messias, conforme as profecias do Antigo Testamento (Is 35,5-6; 61, 1; 40,9; 52,7).

Recent Posts
Fale conosco

Escreva aqui sua mensagem que responderemos o mais breve possível. Obrigado!

Start typing and press Enter to search