In Evangelho do dia

34Tende cuidado convosco, não se tornem pesados os vossos corações com a crápula, a embriaguez e as preocupações da vida, e aquele dia vos surpreenda subitamente 35como um laço, pois ele há-de irromper sobre todos os que habitam a face da Terra inteira. 36Velai, pois, orando em todo o tempo, para conseguirdes fugir a todas essas coisas que estão para acontecer e aparecerdes firmes diante do Filho do homem.

 

Comentário

34-36. No fim do Seu discurso o Senhor exorta à vigi­lância como atitude necessária para todos os cristãos. De­vemos estar vigilantes porque não sabemos nem o dia nem a hora em que o Senhor virá pedir-nos contas. Por isso importa viver em todos os momentos pendentes da vontade divina, fazendo em cada instante o que temos de fazer. Há que viver de tal modo que, venha quando vier a morte, sempre nos encontre preparados. Para aqueles que vivem assim, a morte repentina nunca é uma surpresa. A estes diz São Paulo: «Vós, irmãos, não viveis em trevas para que aquele dia vos arre­bate como um ladrão» (1Thes 5,4). Vivamos, pois, em contínua vigilância. Consiste a vigilância na luta constante por não nos apegarmos às coisas deste mundo (a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida; cfr l Ioh 2,16), e na prática assídua da oração que nos faz estar unidos a Deus. Se vivemos deste modo, aquele dia será para nós um dia de gozo e não de terror, porque a nossa vigilância terá como resultado, com a ajuda de Deus, que as nossas almas estejam prontas, em graça, para receber o Senhor. Assim o nosso encontro com Cristo não será um juízo condenatório mas um abraço definitivo com que Jesus nos introduzirá na casa do Pai. «Não brilha na tua alma o desejo de que teu Pai-Deus fique contente quando te tiver de julgar?» (Caminho, n° 746).

Recent Posts
Fale conosco

Escreva aqui sua mensagem que responderemos o mais breve possível. Obrigado!

Start typing and press Enter to search