Dias de Céu

Por Priscila Fleury, baseado nas anotações de Ana Wistuba
Ana Wistuba e sua equipe da Casa do Moinho e da Escola Pontal, estiveram encarregadas de cuidar da limpeza do Mosteiro de São Bento, durante a visita do Papa ao nosso país. A partir das anotações de Ana, foi escrito este relato, que não deixa dúvida de que elas realmente viveram “dias de Céu”.

Tive a imensa sorte de cuidar da limpeza do Mosteiro de São Bento antes e durante a visita do Papa Bento XVI ao Brasil. O fato de coordenar a Casa do Moinho garantiu o profissionalismo da tarefa que nos encomendaram. Na equipe haviam várias monitoras da Casa do Moinho e da Escola Pontal, alunas e professoras: mais de 15 pessoas.

Como o Mosteiro estava há três meses passando por várias reformas com aproximadamente 50 operários no local, a limpeza precisou começar no dia 03 de maio, uma semana antes da chegada do Papa. Saíamos de casa às 5h30 da manhã e só voltávamos depois das 21h.

No meio do trabalho conseguíamos dar uma escapada para fazer um tempo de oração na Basílica e pedir pelos frutos da viagem do Santo Padre.

No dia 08, véspera da chegada do Papa, os operários terminaram os 2 primeiros quartos que pudemos decorar com os arranjos de orquídeas que Roberta – proprietária de uma empresa de eventos – quis doar.

No final do corredor onde se encontrava o quarto do Santo Padre os monges colocaram um quadro da Virgem de baixo relevo em latão e Léia teve a sorte de limpá-lo e pôde dirigir-lhe tantas jaculatórias.

Kelly estava radiante: “fiz a cama para o Santo Padre!”

No dia 09, à tarde se finalizaram todos os preparativos. A Polícia Federal passou fazendo a inspeção de todo o local e o restaurante La Bourche entregou, como cortesia, alguns bombons e petit-four para serem deixados nos quartos.

Quando avisaram que o Papa já estava em solo brasileiro fomos à Capela abacial para preparar os paramentos que o Santo Padre usaria. Enquanto isso os monges faziam o ensaio geral ao som do órgão da Basílica e parecíamos estar no Céu!

Por volta das 17h30 fomos nos arrumar para esperar o Santo Padre. Eu estava acompanhada pelas numerárias auxiliares e alunas da Casa do Moinho e ficamos na sala ao lado da qual o Papa Bento fez o seu primeiro pronunciamento de boas-vindas!

No dia seguinte tivemos a alegria de agradecer pessoalmente sua visita enquanto ele nos abençoava, pois estava de saída para encontrar-se com o Presidente no Palácio dos Bandeirantes.

Era o momento de fazer a limpeza dos aposentos. Tudo nos levava à oração, tanto que, quando nos apresentaram ao Papa disseram: fazem o trabalho de Marta mas são Maria, e oferecem o trabalho, o carinho, as orações e os sofrimentos pela estadia do Santo Padre entre nós. Quando o senhor encarregado de nos apresentar se referiu à Sônia Arruga, supernumerária e mãe de 9 filhos o papa exclamou: una gran mamma!

Foram várias as ocasiões de saudar o Santo Padre ao chegar ou sair para o Campo de Marte, para o estádio do Pacaembu… Um dos agentes federais comentou que nosso sorriso não negava a satisfação de poder estar tão perto do Papa. Depois declarou: é o sorriso de uma espiritualidade profunda e madura, e quis saber quem éramos.

Para fechar com chave de ouro esses dias de Céu fomos recebidas pelo Papa no último dia que esteve em São Paulo, pois ele queria agradecer pessoalmente a cada um. Estávamos entre os funcionários do Mosteiro e do Colégio de São Bento.

Enquanto vinha ao nosso encontro os monges entoavam a Salve Rainha e o Adorote Devote. Várias pudemos beijar sua mão e receber de novo sua benção querida.

São Paulo, 09-VIII-07
Priscila Fleury, baseado nas anotações de Ana Wistuba