Carta de Maria Celina, ex-numerária auxiliar do Opus Dei

Por Maria Celina de Souza Martins
Maria Celina conta quantas coisas de valor aprendeu no Opus Dei! Grata a Deus, procura fazer da sua casa um “lar luminoso e alegre”, como falava São Josemaria.

Meu nome é Maria Celina de Souza Martins. Estou com 40 anos, conheci o Opus Dei aos 15 e depois de um tempo fazia parte dessa instituição.

Tive boas impressões desde o início, pela atenção e dedicação das pessoas que ali viviam.

Ofereceram-me uma amizade sincera e aprendi a amar e a respeitar as diferenças. Aprendi a ver no trabalho um instrumento de santificação, a realizar as tarefas e ver que todas as ocupações humanas, realizadas com amor e dignidade, merecem reconhecimento e respeito.

Tudo isso teve um grande valor para mim. Se hoje sou uma boa esposa e mãe, 80% devo à Obra.

Tenho uma família maravilhosa e procuro educar meus filhos e fazer da minha casa um “lar luminoso e alegre”, como aconselhava o fundador do Opus Dei.

Sou grata a Deus pelos 15 anos que vivi nos centros do Opus Dei.

Muito obrigada,

Maria Celina